Salvem o planeta Terra

O dilúvio vai destruir a humanidade?

postado em 10/11/2010, às 20:56

Os cientistas estão em acordo mutuo :  continuam a assustar as pessoas sobre as coisas que irão acontecer ao nosso planeta. Neste momento, no papel do elemento da natureza  que visa destruir toda a humanidade somente se fala do dilúvio. Hidrólogos espanhóis acreditam que ele poderia vir já no início deste século – por causa do notório derretimento de geleiras.Será que essas profecias são verdadeiras?

O estudo de uma modelagem de mudanças nas correntes atlânticas que ocorreram  no passado permitiu à equipe internacional de cientistas calcular a taxa de aumento do nível do mar. Especialistas em hidrologia acreditam que no próximo século, a água pode obter  poderes inimagináveis..  Os especialistas têm, tradicionalmente, atribuído  a culpa de um novo dilúvio ao aquecimento global notório, coisa que não está absolutamente provado. Então, o que exatamente nos assusta neste momento? Pesquisadores da Universidade de Sevilha (Espanha) acreditam  que, com o aumento do aquecimento global, as correntes dos oceanos Atlântico e Ártico irão se agigantar. É verdade mas não há ainda a resposta de porque isso está acontecendo (em teoria, deveria ser o contrário, porque o aquecimento reduz a diferença de temperatura entre a água no equador e os pólos, que  cria as correntes oceânicas mundiais, como a Corrente do Golfo),

O que ocorre é a  relocação de água, que surge devido a esses fenômenos, segundo hidrólogos, o que acelera o ritmo do mar. Esta afirmação parece duvidosa, uma vez que viola a lei da conservação de massa – na verdade não pode haver esforço para criar, dentro de um volume adicional de água, à partir do nada. No entanto, de acordo com a previsão de especialistas espanhóis é exatamente o que vai acontecer no meio do século XXI, resultando que grande parte da Islândia, a quase totalidade da Escócia, e muitas ilhas do norte seriam submersas. Inundações ameaçam também a Dinamarca e – obviamente – os Países Baixos.

Além disso, os autores desta previsão estão convencidos de que o derretimento das geleiras do Ártico poderá levar a um arrefecimento da corrente do Golfo. Como ele se relaciona com o aquecimento global, o que deve causar um aumento na temperatura da água nos trópicos, onde se inicia a Corrente do Golfo e começa seu caminho para o norte. Mas isto também não é totalmente claro.

Além disso, verifica-se que na Terra irão ocorrer simultaneamente dois processos incompatíveis entre si – o aumento simultâneo da temperatura, com o conseqüente derretimento das geleiras, com a refrigeração da Corrente do Golfo, o que na realidade não pode ocorrer.

Mas voltando às “histórias de horror”, contada por hidrólogos espanhóis,. o resfriamento da temperatura da Corrente do Golfo termina nas latitudes norte. Sobre as restantes áreas da Grã-Bretanha, Irlanda e partes do Canadá, não poderá existir a vida humana. E ainda o derretimento das geleiras ameaça no sul praticamente todos os Estados insulares do Pacífico e Índico, bem como Austrália e América do Sul.

Então, em que vai nos assustar as conclusões dos autores da idéia de um “novo” dilúvio de Noé? O fato de que o mundo virá o aquecimento global em conjunto e uma nova idade do gelo? Mas essa idéia, devido ao seu completo absurdo, não é capaz de assustar até mesmo um estudante. Talvez, os pesquisadores tinham em mente algo muito diferente.

Aparentemente, eles propuseram o seguinte esquema para o desastre. Primeiro, o aquecimento global vai causar derretimento de geleiras maciças através da qual o nível dos oceanos vai subir temporariamente, e algumas áreas habitadas serão inundadas. Simultaneamente as massas significativas de água fria causarão a interrupção da Corrente do Golfo e como resultado o clima do Hemisfério Norte vai se tornar mais gelado. Neste caso, o derretimento das geleiras vai parar, mas a água que causou o dilúvio, irá novamente congelar.

O nível do mar cairá novamente,  e a inundação de  terras será novamente suspensa, mas devido ao fato de que elas se transformaram no “reino do frio eterno”, não se poderá viver nelas. Essa hipótese parece a mais lógica, uma vez que nesta apresentação pelo menos, nada se contradiz.

Mas será isso realmente? Provavelmente não, e aqui está o porquê: Mesmo que no relatório se diga que todas as geleiras do Ártico e da Antártida se derreteriam num curto espaço de tempo, em seguida, a água não seria “livre”  necessariamente,.se precipitando nos oceanos.  O aumento da temperatura atmosférica média do planeta também leva a um aumento na evaporação da água. Como resultado da formação de novas massas de ar, a chuva nem sempre está derramando sua umidade sobre o mar. Uma parcela significativa da chuva será em terra.

Essas chuvas podem assim serem absorvidas pela área enorme de um deserto, como o Saara, o deserto de Gobi, e o deserto do Karakorum. A água assim liberada formaria novos lagos e rios naqueles territórios. É claro que no final esta água irá para os oceanos, mas este processo é muito longo e não vai causar mudanças imediatas em seu nível (deve ser lembrado também que a evaporação da água do mar nos trópicos vai continuar).

Além disso, os esforços de precipitação nos pólos, ocorrendo exclusivamente em forma de neve, vai provocar a formação de geleiras novamente. O fato de que o verão nas regiões polares da Terra não é muito quente, então toda a neve do inverno, não teria tempo de derreter. Acumulada, ela estará estática sob seu próprio peso em um estado intermediário entre a neve e o gelo.

Ou seja, verifica-se que nosso planeta está realmente em uma posição própria para auto ajustar o nível dos oceanos. Talvez, o processo descrito acima va ocorrer ao longo de um tempo, centenas de milhares ou mesmo milhões de anos, e durante estes ajustes pode ser que o mar invada a terra (transgressão), mas isso não é suscetível de ser tão catastrófico e abrupto. Além disso, lembre-se que para qualquer área inundada numa transgressão, haverá outras áreas que estão inundadas que virão à tona outros, (leis de conservação que  ainda estão trabalhando).

Em relação ao “desligamento” da Corrente do Golfo, segundo a pesquisa paleoclimatologia, feita na Russia ainda no século XX, não deve levar a um resfriamento global das regiões subpolares, e, inversamente, o seu aquecimento. Afinal, qual é a fonte da matéria-prima a partir da qual surgem as calotas polares? Corretamente, a massa de precipitação em forma de neve, que é o que traz a corrente quente. Se a corrente do Golfo não vai entregar corretamente neve para o norte, as geleiras não seriam capazes de se recuperar e eventualmente começar a derreter.

No entanto, o que acontece depois que o que foi descrito acima acontecer? .No Hemisfério Sul e na Antártica, tudo fica mais interessante. A maioria da massa de água formada devido ao derretimento das geleiras não poderá estar longe do continente. Essa “massa” simplesmente não irá deixar que o vento frio envolva o continente em gelo em 40 graus de latitude de latitude sul. O acúmulo das águas frias em torno da Antártica irá provocar uma diminuição local da temperatura e provocar a formação de novos blocos de gelo. Assim, os australianos, neozelandeses e os habitantes da Oceania, e da América do Sul, em geral, pode dormir em paz.

Como você pode ver, a previsão feita pelo hidrólogos espanhois, dificilmente acontecerá.   Muito provavelmente, os próprios autores entendem isso tudo.  Desde que este  modelo teria sido apenas uma maneira de assustar os contribuintes e, assim, esvaziar os orçamentos dos diversos estados obtendo mais dinheiro para pesquisa, os pesquisadores poderiam prosseguir os seus estudos (com objetivos muito diferentes).

Infelizmente, esta maneira de buscar subsídios adicionais para pesquisas, nos últimos anos tornou-se em uma saudável, porque cada pessoa está disposta a pagar muito para ele ser salvo de algum desastre. Assim os cientistas são levados a compor histórias de horror absurdo (como o aquecimento global, a grande tempestade solar ou inundação. E se o acidente não aconteceu (o que sempre acontece), então não informam o valor gasto, porque nunca haverá qualquer previsão de garantia de probabilidade absoluta de que o fato irá se tornar realidade.

Se torna tentador que a solução de todos esses “apocalipses” sejam oferecidos aos governos de todos os países. Mas se esses países usassem  uma técnica antiga, a do imperador chinês Qin Shi Huang Di.,seria bem melhor. Ele sempre generosamente pagava muito bem  pela predição dos profetas, mas se a profecia não ocorresse, seriam executados não só os “profetas”, mas também suas famílias. Talvez por isso os cientistas da época eram mais sossegados e não previam qualquer desastre …

Anton Evseev – tradução de Jorge Poggi – fonte: Pravda.ru

Busca

O Autor

jorge poggi

Jorge Poggi, Carioca, Sagitariano, é Economista, Administrador de empresas, Ufólogo e Arqueólogo de campo amador.

gmail myspace facebook orkut twitter

Fale com o Jorge

captcha

  • Blogs e sites parceiros