Salvem o planeta Terra

Porque a “Conspiração Chemtrails” é real

chemtrails avião

 

Enquanto qualquer discussão sobre o fenômeno “chemtrail” hoje é imediatamente rotulada como teoria da conspiração, um novo estudo fornece evidências de que um programa secreto mundial está em andamento, tornado possível através de interesses políticos, comerciais e governamentais trabalhando em conluio para ostensivamente liberar material extremamente tóxico na atmosfera para “combater o aquecimento global.”

É certo que, quando lidamos com o tema da “chemtrails”, eu fico um pouco apreensivo. Como a ligação entre vacinas com autismo, alguns tópicos foram tão carregado de desinformação por tanto tempo que escrever sobre elas automaticamente invoca o espectro da controvérsia, e não a discussão aberta, como seria de se esperar caso descobrir a verdade fosse uma prioridade.

Um setor altamente marginalizadas mas vocal da população acredita que chemtrails estão sendo pulverizado sobre nós, como inseticidas em baratas pelos nossos senhores invisíveis para facilitar uma agenda de despovoamento. No outro extremo os acadêmicos publicam artigos sem pudor algum, sugerindo que deveríamos brincar de Deus, usando várias técnicas de geoengenharia com claros impactos globais para “combater o aquecimento global”. No entanto, raramente vamos ver ninguém de forma convincente ligando dados observacionais de primeira mão com dados objetivos, para provar que há algo mais nestes contrails persistentes do que vapor de água congelada.

Felizmente, um estudo inovador foi publicado recentemente que fez exatamente isso, trazendo-nos mais perto da verdade do que jamais estivemos antes. As implicações são simplesmente profundas e eu acredito que pode fomentar enormemente a expansão da consciência e do ativismo sobre o tema.

Nova pesquisa comprova  que as cinzas volantes (Coal Fly Ash, ainda conhecido como cinzas de combustível pulverizadas) é o material fonte dos “Chemtrails”

O novo estudo publicado no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública, intitulado “Evidência de Químicos Tóxicos de Cinzas Volantes de Carvão da Geoengenharia na troposfera: Consequências para a Saúde Pública“, oferece uma explicação convincente para o que está por trás do chamado fenômeno “chemtrail”, revelando que o material originário usado para criar clima artificial visível em todo o mundo é o resíduo extremamente tóxico do setor elétrico conhecido como cinzas volantes de carvão (ou também cinzas de combustível pulverizadas).

Se você ainda não está ciente, “chemtrail” é um termo coloquial usado para descrever os contrails persistentes (rastros persistentes de aviões), presumivelmente carregado de “produtos químicos”, observados sebdi emitidos a partir de aeronaves que resultam na formação de padrões de nuvens artificiais. Sua existência foi quase universalmente aceita como “teoria da conspiração” pela mídia e governo apesar da evidência mundial – claro como o dia – que o clima está a ser manipulados com aerossóis, presumivelmente para fins de geoengenharia destinadas a compensar o aquecimento global.


O novo estudo, de autoria do residente de San Diego J. Marvin Herndon, foi iniciado depois que ele testemunhou sua região sendo pulverizada diariamente por um, até então tido como aerossol não identificado:

Na primavera de 2014, o autor começou a notar que jatos-tanque muitas vezes produziam rastros brancos no céu azul sem nuvens sobre San Diego, Califórnia. O aerossol de pulverização que estava acontecendo com frequência crescente era um fenômeno relativamente novo lá. O ar quente e seco acima de San Diego não é propício para a formação de rastros de jato, os quais são ​​gelo condensado. Em novembro de 2014, os jatos estavam ocupados todos os dias cruzando o céu pulverizando suas pichações aéreas. Em questão de minutos, os rastros de aerossol que saem dos jatos começam a se difundir, eventualmente formando nuvens cirros, como que mais difusa para formar uma névoa branca que espalha a luz solar, muitas vezes causando oclusão ou escurecimento do sol. A pulverização de aerosóis ocasionalmente foi tão intensa que chegou a tornar o céu azul sem nuvens em um dia nublado, com algumas áreas do céu se tornando na cor marrom (Figura 1). Às vezes, as luzes de navegação do jatos eram visíveis conforme trabalhavam durante a noite, suas trilhas obscureciam as estrelas no céu; ao amanhecer o céu da manhã normalmente azul-claro já tinha uma névoa branca leitosa. Independentemente disso, a pulverização do aerossol frequentemente continuou durante todo o dia. A necessidade de borrifamento de aerossol diariamente decorre do relativamente baixa altitudes de pulverização na troposfera, onde a mistura com ar ocorre facilmente derrubando as partículas de aerossol e expondo a humanidade e biota da Terra à substância fina. A preocupação do autor sobre a exposição diária ao material particulado atmosférico ultra-fino de composição não revelada e seu efeito concomitante sobre a saúde de sua família e da saúde pública em geral deu origem à pesquisa aqui relatada“.

A longa história de programas clandestinos de geoengenharia

Para aqueles que não têm testemunhado o fenômeno “chemtrail” diretamente, seria fácil amortizar o testemunho deste autor como duvidoso ou simplesmente anedótico. Mas o autor salienta justamente que já há extensa evidência no registro histórico dos programas secretos de geoengenharia, e que ele resume assim:

Geoengenharia, também chamada de modificação do clima, foi levada a cabo ao longo de décadas em altitudes muito mais baixas na troposfera. As recentes chamadas para a discussão aberta de controle do clima ou geoengenharia tendem a obscurecer o fato de que os setores militares e civis do mundo modificaram as condições atmosféricas por muitas décadas como foi descrito pelo historiador da ciência, James R. Fleming [4]. Algumas das pesquisas anteriores de modificação do clima resultaram em programas como o Projeto Skywater (1961-1988), o esforço do US Bureau of Reclamation para fazer aengenharia dos “rios do céu “; Operação Ranch Hand do Exército os EUA (1961-1971), em que o herbicida Agente Laranja foi uma parte infame, e seu Projeto Popeye (1967-1971), usado para ” fazer lama, não guerra” sobre Ho Chi Minh Trail. Esses poucos exemplos de modificação do clima, todos eles secreto no momento em que estavam sendo executados, mostram que o clima é, nas palavras dos militares, “um multiplicador de força” [5].”

O fato é que nós não precisamos especular se esses programas secretos ainda estão acontecendo, porque a evidência está “escondida às claras” para milhões verem diariamente. [Nota: Eu sugiro que você assistir “nuvens artificiais”, para obter uma cartilha sobre a diferença entre ocorrem naturalmente rastros e “chemtrails”.]

As verdadeiras questões aqui são: O que está sendo pulverizado? Quem está por trás do programa? Por que não há discussão pública sobre o programa e as suas implicações para a saúde humana e ambiental?

Cinzas volantes mais tóxicas que os resíduos radioativos

Embora esteja claro que os programas de modificação do tempo focados no aumento da precipitação estão sendo realizados em todo o país usando iodeto de prata, como recentemente exposto pelo documentário de nosso colaborador Dave Dahl “Nuvens Artificiais”, cujo resultado são mudanças globais nos padrões climáticos, exemplificados pela mudanças de temperatura observadas após 11 de setembro, o programa global de geoengenharia parece ser uma ameaça muito maior para a saúde planetária.

O que a pesquisa de Herndon descobriu é que “Combustão cinzas volantes é a partícula aerossol mais provável pulverizada por jatos-tanques para fins de geoengenharia, modificação de tempo e clima e descreve algumas das múltiplas consequências na saúde pública.”

Ele chegou a essa conclusão por meio dos seguintes métodos:

São utilizados dois métodos: (1) Comparação de oito elementos analisados ​​em água da chuva, lixiviados de partículas em forma de aerossol, com os elementos correspondentes lixiviadas em água a partir de cinzas volantes de carvão em experimentos de laboratório publicados, e (2) Comparação de 14 elementos analisados ​​em pó recolhido ao ar livre em um filtro de ar de alta eficiência de partículas (HEPA) com elementos correspondentes analisados ​​no material de cinzas volantes de carvão não-lixiviado. Os resultados mostram: (1) o conjunto de elementos na água da chuva e do chorume experimental correspondente são essencialmente idênticos. Em um intervalo de 99% de confiança, eles têm médias idênticas (T-teste) e variâncias iguais (F-teste); e (2) o conjunto de elementos na poeira HEPA e nas médias das cinzas volantes de carvão não-lixiviada correspondente  também são essencialmente idênticos.”

Cinzas volantes de carvão é um resíduo de partícula fina gerado por combustão do carvão e é um material extremamente tóxico por três razões principais:

1) Devido ao seu tamanho na escala de nanopartículas, não apenas que ele possa entrar mais facilmente no tecido humano, através da pele, oral, pulmonar ou contato, mas também pode ter uma maior toxicidade, devido à sua capacidade de imitar os hormônios e / ou de passar através das membranas celulares e alterando programas nucleares de alterar negativamente fenótipo celular.

2) Ele contém uma grande variedade de metais pesados, incluindo formas inorgânicas de alumínio e arsênio, que são altamente tóxicos para os sistemas biológicos. O seu teor de mercúrio pode variar até 1 parte por milhão.

3) Ele contém radioisótopos de baixa dose, que podem ter profundos e graves efeitos adversos crônicos para a saúde de várias ordens de magnitude maior do que as avaliações de risco toxicológicos presentes mostram. Herndon afirma, “As cinzas volantes de carvão tem sido descritas como sendo mais radioativas que os resíduos nucleares [24].”

Como Herndon afirma: “As consequências [da exposição às cinzas volantes de carvão] sobre a saúde pública são profundas, incluindo a exposição à uma variedade de metais pesados ​​tóxicos, elementos radioativos, e o neurologicamente implicado quimicamente alumínio móvel liberado pela umidade do corpo in situ após a inalação ou através de indução transdérmica“.

Perturbadoramente, a EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) decidiu recentemente que cinzas volantes de carvão não devem ser consideradas  “resíduos perigosos”, 2 apesar da evidência esmagadora que contêm dezenas de compostos que apresentam individualmente um risco para a saúde humana e ambiental suficientemente grave para ser classificados e regulamentados como perigosos para a saúde.

Quando você considera que a EPA requer o usinas elétricas a carvão sequestrem as cinzas volantes de carvão, devido à sua toxicidade conhecida como poluente, a hipocrisia aqui é surpreendente. Naturalmente, esta decisão seria proteger aqueles que orquestram a agenda da geoengenharia por trás das cenas que usam um subproduto tóxico da indústria de energia elétrica: milhões de toneladas de cinzas volantes de carvão, como uma substância “benéfica” usada para “combater o aquecimento global“, embora o resultado final é o mesmo: liberação de um material altamente tóxico diretamente na troposfera.

O lucro e não a evidência move a Agenda da Geoengenharia

Nós já temos exemplos de como isso funciona. O setor privado, como a indústria de alumínio, é conivente com o governo em tomar um produto de resíduos altamente tóxicos como o fluoreto, e em seguida, pressionar para que seja legalmente mandatável para ser colocado no meio ambiente e nossos corpos através de programas de fluoretação. De repente, a indústria responsável pela concentração e desencadeamento de uma substância que não é legal despejar no ambiente devido às preocupações de segurança é paga para tê-la despejada diretamente no nosso abastecimento de água, a qual acaba em nosso ambiente e corpos. Uma substância altamente tóxica é simplesmente readaptada e rebatizada como “terapêutica” quando o lucro é atraente o suficiente para trunfo ético e limites legais.

A partir de 2005, as usinas de carvão dos EUA relataram a produção de 71,1 milhões de toneladas de cinzas volantes, dos quais 29,1 milhões de toneladas foram relatadamente reutilizadas para aplicações industriais. Se não fosse por esta “reciclagem” a indústria ficaria com um problema de bilhões de dólares, não muito diferente de problema da indústria nuclear com o lixo nuclear. É aí que reside sozinho um motivo plausível para a sua utilização como ingrediente de “geoengenharia”, transformando um passivo em um centro de lucro.

Herndon oferece esclarecimentos adicionais sobre o porque ele acha que as cinzas volantes de carvão foram escolhidas como o ingrediente preferido da geoengenharia:

Enquanto os acadêmicos debatem a geoengenharia como uma atividade que pode, potencialmente, ser necessária no futuro [2,3], as evidências sugerem que os governos militares/ocidentais avançaram com um programa de geoengenharia operacional de total escala. Mas em vez de minerar e moer rocha para produzir cinzas vulcânicas artificiais em volumes suficientes para arrefecer o planeta, eles adotaram uma alternativa pragmática de baixo custo, mas com consequências muito mais terríveis para a vida na terra do que o aquecimento global jamais seria, utilizando cinzas volantes de carvão. Para piorar a situação, em vez de colocar o material na estratosfera, onde há mistura mínima e a substância pode permanecer suspensa durante um ano ou mais, eles optaram por pulverizar as cinzas volantes de carvão na baixa atmosfera, a troposfera, a qual se mistura com o ar que as pessoas respiram e desce com a chuva para a terra.

Outro ponto muito importante feito por Herndon é que essa abordagem intervencionista para “combater o aquecimento global” parece ter sido mal pensada, talvez resultando em exatamente o oposto da intenção declarada:

Existe ainda uma outra consequência da pulverização das cinzas de carvão troposférico que é contrário ao resfriamento da Terra e tem potencialmente implicações adversas de longo alcance de saúde pública ecológica: modificação do clima e perturbação concomitante de habitats e fontes de alimentos. Conforme relatado pela NASA, “A criação de gotículas precipitações normais envolve a condensação de vapor de água em partículas nas nuvens. As gotículas eventualmente se aglutinam em conjunto para formar gotas grandes o suficiente para cair para a Terra. No entanto, conforme mais e mais partículas de poluição (aerossóis) entram em uma nuvem de chuva, a mesma quantidade de água se espalha. Estas pequenas gotas de água flutuam com o ar e são impedidas de crescer e de coalescer suficientemente à uma gota de chuva. Assim, a nuvem produz menos precipitação ao longo do seu tempo de vida em comparação com uma nuvem limpa (não poluída) de mesmo tamanho [42]. Além de prevenir  as gotas de água de coalescer e crescer grande o suficiente para caírem na Terra, as cinzas, que se formaram sob condições anidras, irão hidratar, prendendo a umidade adicional, atuando ainda mais para evitar a precipitação. Isso pode causar secas em algumas áreas, inundações em outras, quebra de safra, mortandade em florestas e impactos ecológicos adversos, especialmente em conjunto com a contaminação química do alumínio móvel a partir de cinzas de carvão. As consequências, em última instância, podem ter efeitos devastadores sobre os habitats e reduzir a produção de alimentos humanos“.

Herndon nos deixa com considerações finais difíceis de ignorar, incluindo uma chamada à ação que espero que os nossos leitores levem a sério:

Mais de meio século atrás, Rachel Carson chamou a atenção do mundo para as consequências não intencionais dos herbicidas e pesticidas amplamente utilizados pela agricultura. Em vez de fechar os olhos, as pessoas em toda parte se motivaram para parar o pior deste ataque ambiental. Hoje estamos plenamente conscientes da vasta rede interligada de dependências e simbioses que compõem a vida em nosso planeta. A Terra existe em um estado de dinâmico equilíbrio biológico, químico e físico, cuja complexidade excede em muito a compreensão da ciência contemporânea. A pulverização troposférica penetrante de cinzas volantes de carvão ameaça esse equilíbrio, cuja delicadeza ou cuja resiliência não podemos quantificar. A saúde humana está em risco como é biota da Terra. Será que estamos a permanecer em silêncio? Ou será que vamos exercer nosso direito primordial para falar em nossa própria defesa como uma espécie e questionar a sanidade de borrifar cinzas volantes de carvão na atmosfera perpetuamente em movimento da Terra?

Referências:
1 “Fly Ash in Concrete” (PDF). perkinswill.com. 2011-11-17. Retrieved 2013-11-19. Fly ash contains approximately one part per million of mercury.
2 EPA 2014, Final rule: disposal of coal combustion residuals from electric utilities, Environmental Protection Agency, Washington D.C.
3 American Coal Ash Association. “CCP Production and Use Survey” (PDF).

Leia mais: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-por-que-a-conspira%C3%A7%C3%A3o-dos-chemtrails-%C3%A9-real#ixzz3k1altyL4

Agradecimentos a Henry Marinho – S.Luiz – Maranhão

Mais “Chemtrails” !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Chemtrails, no mundo inteiro

Chemtrails, no mundo inteiro

#Chemtrails: Jornal de Mato Grosso do Sul publica a mais completa matéria sobre #Geoengenharia já feita no BrasilNesta terça feira dia 22 de Abril de 2014, o Diário do Estado, maior jornal do norte de Mato Grosso do Sul publicou um artigo sem precedentes no que diz respeito à atual conjuntura da mídia brasileira. Trata-se do mais completo artigo já publicado no Brasil sobre a geoengenharia global. Escrito pelo pesquisador catarinense Oberon de Mello, o texto aborda de forma séria e metódica a questão, apresentando um panorama completo sobre a ação da geoengenharia nos céus do Brasil e de todo o mundo. Agradecemos a iniciativa do jornalista Walter Luiz pelo seu pioneirismo dentro da mídia, oportunizando a divulgação de tão importante e sonegado assunto.

Leia a matéria na íntegra:

Por volta do ano 2000 milhares de pessoas pelo mundo começaram a notar um novo padrão nas trilhas de condensação geradas pelo motor de jatos comerciais. De acordo com a Força Aérea Brasileira, as trilhas deixadas por aviões comerciais são resultado da condensação gerada pela exaustão do motor quente, o qual momentaneamente condensa cristais de gelo em trilhas de vapor que rapidamente desaparecem, como uma onda atrás de um barco, muito parecido com a respiração de uma pessoa em um dia frio de inverno. No entanto, não é isso que se tem visto nos últimos dez anos. Agora, os rastros deixados pelos aviões não desaparecem rapidamente, pelo contrário, eles permanecem no céu por horas, e vão se acumulando, dando origem a nuvens artificiais.

Continue lendo »

Rastros Químicos: Destruição de Ecossistemas – O que eles estão pulverizando no céu?

e os governos  nada fazem (tampouco informam...)

e os governos nada fazem (tampouco informam…)

O que você faria se você fosse informado que substâncias tóxicas estão sendo pulverizados no céu, contaminando o solo e dizimando os ecossistemas ao redor do planeta? Esta é a afirmação feita por vários cidadãos no lado de fora da reunião da AAAS – American Association for the Advancement of Science no mês passado em San Diego, que despertou meu interesse em investigar mais sobre o assunto.

Michael J. MurphyA reunião da AAAS hospedou diversos cientistas de topo da geo-engenharia, que se reuniram para discutir a plausibilidade de implementar diversos programas de geo-engenharia em todo o mundo. Uma das opções abordado era aerossol estratosférico de geo-engenharia [stratospheric aerossol geo-engineering – SAG], apelidado de Chemtrail pelos teóricos de conspiração, onde os renomados cientistas discutiam a plausibilidade de pulverizar aerossóis de alumínio, bário e outras partículas metálicas no céu, como meio de bloquear o sol, ”reduzindo” a temperatura da terra. Quando questionados sobre os riscos potenciais associados à utilização de aerossóis metálicos no céu, os cientistas responderam que não havia estudos sobre os riscos associados com aerossóis metálicos, acrescentando que algo terrível poderia acontecer no futuro que não têm sido previsto atualmente. Quando perguntados sobre os programas de aerossóis em andamento, os cientistas responderam que não havia programas de aerossol implementado no momento.

As pessoas que conheci no lado de fora da reunião reivindicavam o oposto. Eles vieram em protesto depois de avistarem aviões que eles acreditam estar frequentemente pulverizando aerossóis no céu. Muitas pessoas neste grupo têm detectado níveis extremamente elevados de alumínio, bário e outras substâncias metálicas em seu solo, água e neve. Ironicamente, as substâncias achados correspondem exatamente com as substâncias que os cientistas estão ”considerando” usar em vários programas de geo-engenharia discutido na reunião. Eles acreditam também que os aerossóis metálicos estão levando a destruição de ecossistemas, e que são provenientes de pulverizações de Chemtrail em andamento. Devido à seriedade do problema e meu desejo de conhecer a verdade fui levado a Condado de Shasta, norte da Califórnia, para investigar não somente as reivindicações de que estão pulverizando substâncias no céu, mas também realizar testes de solo, água e neve que muitos moradores e pesquisadores afirmam estar contaminados devido á pulverização de Chemtrails.

Na minha primeira parada nesta viagem conheci Dane Wigington e sua bela propriedade particular de 200 acres, com vista para o lago Shasta. Depois de apreciar a vista deslumbrante da paisagem, Wigington apontou para o céu onde rastros múltiplos cobria o céu. Ele disse que os rastros estão presentes quase todos os dias no Norte de Califórnia. Ele considerou esta pulverização como moderado. Como muitos outros moradores no Condado de Shasta, Wigington mudou-se para esta propriedade para ficar longe da poluição do Sul da Califórnia. Seus sonhos de morar longe das cidades e viver em harmonia com a natureza foi interrompido porque atualmente ele está dedicando o seu tempo e energia sobre a questão da geo-engenharia.

Wigington ficou preocupado com Chemtrail quando começou a perceber mudanças dramáticas de energia solar que ele usa para abastecer a sua propriedade. Dono de um dos maiores sistemas de energia solar residencial no Norte da Califórnia, ele começou a notar declínio acentuado em fornecimento de energia solar. Em dias de pulverizações intensas, o fornecimento de energia solar era reduzida em até 60 por cento. Wigington disse: ”Os rastros estão literalmente bloqueando o sol.” Ele disse que passou a recolher regularmente amostras de finas camadas de poeira nos painéis solares e de outras superfícies exteriores e detectou constantemente níveis extremamente elevados de alumínio, bário e outras substâncias metálicas. Ele considera que estes são produtos da pulverização de Chemtrails.

chemtrails-masksWigington percebeu também que, ao mesmo tempo que a energia solar reduzia, mudanças dramáticas ocorria em sua propriedade, as arvores, as plantas, os insetos e os animais selvagens misteriosamente começaram a morrer. Isto o levou a fazer o seu primeiro teste de chuva apenas quatro anos atrás. Os resultados foram chocantes, os níveis de alumínio resultaram em 7ug/L ou 7 partes por bilhão (ppb). Embora o alumínio possa ser encontrado em quantidades menores ao redor do mundo, geo-hidrologistas lhe disseram que esse número era bastante elevado. Desde aquela época ele teve resultados de alumínio aumentado para níveis tão elevados como 50.000% com 3.400 ug/L. Isto é literalmente uma chuva tóxica letal. Estes resultados o levaram a fazer novos testes adicionais de pH do solo com dois cientistas da USDA, que produziram resultados ainda mais chocantes. O pH do solo foi de 6,6 em uma área e 7,4 em outra. Isto é equivalente a 11 vezes a alcalinidade normal do solo, que deve estar na faixa de 5,0 a 5,5. É importante observar que os testes foram realizados na floresta, distante de quaisquer indústrias, estradas e rios. Quando perguntado sobre o que estas alterações poderiam fazer no ecossistema, Wigington respondeu que é devastador. Ele disse: ”Se isto continuar, só podemos esperar coisas muito piores. Não apenas estamos vendo as nossas árvores morrendo aqui, mas também um declínio dramático na vida selvagem e de peixes. Wigington citou que, segundo a The National Oceanic Atmospheric Administration, os cardumes de salmão que eram vistos em abundância nesta área diminuiu de 769.868 em 2002 para 39.530 em 2009. Isto é uma queda de 90 por cento. Curiosamente, este declínio começou a acontecer no mesmo período de tempo em que os moradores começaram a perceber um aumento dramático no que eles acreditam ser pulverização de Chemtrails. Os esforços de Wigington em divulgar os testes aos funcionários de agências governamentais tem sido praticamente ignorados.

O meu espanto inicial pela beleza deslumbrante da paisagem me levou a uma profunda tristeza, frustração e ódio diante da contaminação que está destruindo o ecossistema. Isso me incentivou a investigar mais profundamente, procurando um especialista em biologia. Arrumei o meu carro e rumei direto para o norte da vila do Monte Shasta. Mt. Shasta é conhecido pela sua paisagem, ar puro e fontes de água que abastecem as companhias de água mineral. Muitos viajantes ao redor do mundo escalam esta montanha e passam as férias nesta bela paisagem na parte oeste dos USA.

Francis Mengels, Bacharel em Ciências de Engenharia Florestais, mestrado em zoologia, um conservacionista do solo e um biólogo aposentado que trabalhou durante trinta e cinco anos para o Serviço Florestal dos USA, me recebeu em sua bela casa, na vila do Monte Shasta, para discutir a ”crise” escondida que está acontecendo. Mengels me alertou sobre o rápido declínio dos peixes nos rios e córregos próximos á casa. Mengels me apresentou um riacho que havia oferta abundante de peixes há alguns anos atrás. Porque a dieta principal dos peixes no rio é de insetos aquáticos, ele executou um método de amostra-padrão para medir a quantidade de insetos presentes no rio. As amostras colhidas antes das pulverizações de Chemtrails havia em média 1000 insetos aquáticos. A nossa atual amostra rendeu apenas 31 insetos. Uma queda espantosa de 96%. Mengels afirmou que os peixes sobrevivem de insetos, então eles estão morrendo de fome. Este rápido declínio na quantidade de insetos é provavelmente devido as mudanças químicas da água. As únicas alterações no rio que Mengels está consciente são aumento dramático de alumínio, bário e estrôncio, que ele acredita ser proveniente das pulverizações de Chemtrails.

TestesEle testou também o pH do solo nas proximidades e o resultado foi alcalinidade 10 vezes acima do normal. Mengels tem provas de que esta mudança drástica no nível de pH do solo é devido ao aumento maciço de alumínio. Ele afirmou que as florestas, os campos e as ecologias das fazendas prosperam em solos ácidos. O alumínio age como um tampão que aumenta a alcalinidade do solo, o que pode dizimar ecologia em grandes quantidades. Mengels testou também a neve do Monte Shasta, que foi enviado para o EPA – Enviromental Protection Agency, os resultados foram de 61.100 ug/L de alumínio, e 83 ug/L de bário. A quantidade padrão de alumínio na neve no Monte Shasta é de 0,5 ug/L. O alumínio em água potável é admissível no máximo em 50 ug/L. Isso significa que o alumínio detectado na neve no Monte Shasta é 1200 vezes mais tóxico do que o permitido em água potável. Mengels disse, ”os escaladores que vêm de todo o mundo estão bebendo a água envenenada da neve da montanha”. Mengel esclareceu que para o governo agir é necessário detectar apenas 1.000 ug/L de alumínio. Embora várias agências ambientais terem sidos alertados sobre os achados, nenhuma ação governamental foi tomada até agora. Mengels me levou a outros locais em torno da vila do Monte Shasta, onde ele testou o solo, a água e a neve, que também resultaram em pH de alcalinidade dez vezes acima do normal. Ele disse que estes tipos de alterações químicas no solo, água e neve são muito raros, excepto em outros lugares ao redor do mundo onde as pessoas têm testemunhado o que muitos acreditam ser a pulverização de Chemtrails. Mengels afirmou que essas contaminações são responsáveis por essa ”crise ecológica”, e terá terríveis consequências se continuar. Mengel disse: ”As perdas serão incrivelmente enormes para a nossa economia. O crescimento das árvores será dramaticamente reduzida o que irá resultar na perda de muitos empregos. O declínio das plantas naturais e cultivadas irá resultar no desaparecimento da indústria pecuária e de pesca, e o pior de todos, a perda total da agricultura básica no norte da Califórnia.”

O que é realmente surpreendente é que esses e muitos outros testes ao redor do mundo são completamente ignorados pelas entidades governamentais que existem para combater esse problema. Muitos políticos como o presidente do Concelho do Monte Shasta, Ed Valenzuela ignoram o problema. Valenzuela em uma reunião do concelho da cidade foi alertado sobre a contaminação em massa no Monte Shasta, onde ele afirmou que a cidade não queria examinar os testes, porque o pedido era uma ”Caixa de Pandora” e que ao ”abrir uma caixa de Pandora” a cidade teria que pagar caro. Apesar de vários cidadãos locais ter voluntariamente financiado US$22,000 do teste realizado no laboratório da EPA, ambos os chefes do comitê Russ Porterfield e Valenzuela votaram não para ter a água testada. O prefeito Stearns queria o teste, mas foi rejeitado por um voto de 3-2. Essa resposta não é incomum, Mengel apresentou esses problemas e dados científicos para mais de 15 agências locais e federais, incluindo o gabinete do senador Feinstein e senador Boxer. Apesar disto não recebeu qualquer resposta ou ação do governo até a data.

Aviões projetados para o trabalho sem causar desconfiança da tripulação.É coincidência que as substâncias achados na chuva, neve e solo aqui e outras regiões do planeta correspondem exatamente com as substâncias que os cientistas estão ”considerando” usar em vários programas de geo-engenharia ao redor do mundo? Porque é que as agências governamentais ignoram os resultados dos testes que indicam destruição maciça do nosso ecossistema? Será que os funcionários estão com medo de expor um crime ecológico mundial? Ou eles acreditam que este problema é demasiadamente grande e complexo para eles resolverem? Seja lá qual for a razão para esta ignorância, precisamos que as nossas perguntas sejam esclarecidas e os resultados chocantes dos testes serem publicadas e abordadas, não só em Condado de Shasta, mas também em todas as partes do mundo. Nosso futuro neste planeta depende sobre este problema ser abordado e solucionado.

Porque este movimento está sob constante ataque vindo de pessoas que parecem estar protegendo os interesses políticos e corporativos associados ás pulverizações de Chemtrail, é essencial que as pessoas ao redor do planeta se envolvam nos testes de chuva, solo, neve e outras superfícies exteriores e comunicar os resultados para os funcionários eleitos e as agências ambientais locais. Devemos estender a mão e educar todas as pessoas envolvidas com o programa Chemtrail, que podem não estar cientes das implicações ambientais catastróficas associados aos seus programas. Testes de detecção de pH é bem simples e podem ser realizados em qualquer lugar do mundo a um preço nominal.

Instrução de testes simples e mais informações sobre os programas de geo-engenharia podem ser encontrados na internet em,

<http://geoengineeringwatch.org>

Biologist Francis Mengels can be contacted by e-mail at <bioguy0311@sbcglobal.net> para obter mais informações sobre esta questão, testes realizados e sugestões sobre os procedimentos de teste.

Por favor, tomem atitudes através de testes e relatórios, exigindo respostas sobre este assunto tão importante. Ambos, a natureza e a humanidade depende disto.

“Glória da Manhã” (o que é isto?) na Australia

"Glória da Manhã" na Australia

O que causa estas nuvens estranhas ? Aviões caça gigantes são a primeira coisa que passa pela nossa mente. Mas a realidade é que ninguém sabe o que causa isto.

Esta rara formação de nuvens chamada de “Glória da Manhã” pode chegar a mil quilômetros de comprimento. Apesar de serem similares a outros tipos de nuvens estas se formam a cada primavera sobre Burketown, Queensland, na Australia.

Longos tubos circulares de ar podem se formar quando fluxos de umidade e ar em resfriamento encontram uma camada de inversão, uma camada atmosférica em que a temperatura do ar aumenta com a altitude. Estes tubos e o ar ao redor podem causar perigosas turbulências para aeronaves. Continue lendo »

Busca

O Autor

jorge poggi

Jorge Poggi, Carioca, Sagitariano, é Economista, Administrador de empresas, Ufólogo e Arqueólogo de campo amador.

gmail myspace facebook orkut twitter

Fale com o Jorge

captcha

  • Blogs e sites parceiros